Categorias
Infantil

Conheça os benefícios do mordedor da Fisher Price

Percebemos que o bebê está começando a desenvolver os primeiros dentinhos quando a criança começa a levar tudo que pega à boca. Por isso, um mordedor da Fisher Price pode fazer toda a diferença na hora de ajudar os pequenos a passar por essa fase.

Formatos divertidos

O mordedor deixou de ser aquele objeto apenas para a criança levar à boca e coçar as gengivas. Ao contrário de antigamente, os mordedores atuais são coloridos, com formato de brinquedos e ainda mais divertidos. Se antes o mordedor era só para morder, agora ele também serve para brincar.

Mordedor da Fisher Price com chocalho

Esse é mais um modelo versátil de mordedor. Aqui ele apresenta uma parte fechada onde são colocadas bolinhas coloridas que fazem barulho e estimulam a audição dos bebês, assim, sempre que quiser fazer barulho, o bebê vai balançar o mordedor, começando a desenvolver a coordenação motora. Vale ressaltar que os mordedores são sempre muito coloridos, o que gera também um estímulo visual nas crianças.

Atóxico e com cheirinho bom

Outra vantagem do mordedor da Fisher Price é o estímulo olfativo e palatal dos pequenos, pois o material atóxico da composição possui um cheirinho que lembra o do chiclete e estimula o olfato dos bebês. O sabor é neutro, mas pequenos relevos na superfície do mordedor ajudam a coçar as gengivas.

Tamanho proporcional

O tamanho do mordedor é outro item que precisa ser considerado, pois é necessário que o bebê possa segurar o brinquedo com as mãos sem dificuldade. O formato também precisa ser anatômico, para não machucar a gengiva do bebê, e ainda a textura do brinquedo precisa ser ao mesmo tempo macia e firme.

O mordedor da Fisher Price apresenta todos os requisitos necessários para o seu bebê ultrapassar a fase dos dentinhos com muito mais conforto e segurança.

Categorias
Infantil

Como usar grade de proteção para bebê

Quando aprendem a andar, os bebês dão seus primeiros passos rumo à independência, por isso nossa vigilância aumenta, pois eles querem explorar tudo o que há ao seu redor e podem correr perigo. Para aliviar a tensão de pais e adultos responsáveis nessa fase, existe a grade de proteção para bebê que ajuda na transição do berço para a cama e ainda bloqueia o acesso da criança às áreas da casa que podem oferecer risco.

Grade de proteção para bebê em casa

Dentro de casa, a grade de proteção para bebê serve para bloquear o acesso da criança a áreas que possam oferecer risco, assim se torna possível evitar acidentes. Vale ressaltar que a grade que você usa para limitar o acesso do bebê também serve para evitar que o cachorro entre em casa se você assim desejar.

No acesso à escada Colocar a grade bloqueando o acesso à escada é uma das principais preocupações que se costuma ter em relação às crianças. Normalmente essas grades oferecem um fecho especial para evitar que as crianças consigam abrir e liberar o acesso à área proibida.

É importante verificar se não há bancos ou cadeiras que possam ser arrastados pelos pequenos até a grade e ele tente pular, como faz no berço. Por isso, além de usar a grade como forma de proteção, tenha certeza de que no ambiente não tenham itens que possam fazer a criança tentar pular a grade e com isso sofrer lesões.

Grade na cama

A partir de 2 anos de idade, o berço começa a ficar pequeno para o bebê e é hora de pensar e transferir a criança para uma cama, porém é necessário que essa transição seja feita de forma gradual e a colocação de grades de proteção na cama evita quedas durante o sono e ajuda o bebê a acostumar a dormir nesse novo espaço.

O aconselhável é retirar as grades quando perceber que a criança já tem noção de onde está dormindo e evita descer da cama de qualquer jeito. Mas se mesmo maiorzinha ela tenha um sono muito agitado, melhor deixar a grade por mais tempo.

Vale lembrar que a grade de proteção para bebê usada na cama normalmente já vem junto com os móveis de quarto infantis e combina perfeitamente com o conjunto. Porém, aquela que usamos em portas e escadas para barrar o acesso tem modelo padrão muito vendida em lojas de departamentos e supermercados.

Categorias
Infantil

Sem choro: como acalmar o bebê

O choro e o riso são as formas de comunicação do bebê que (ainda) não sabe falar. Identificar as causas desse choro, justamente porque o bebê não fala, é um desafio para os pais. Na missão de aprender como acalmar o bebê, os pais podem transformar o choro em tranquilidade e naquele soninho reparador que faz o humor do bebê voltar ao normal. Veja como:

Como acalmar o bebê

Saber a causa do choro é a forma mais eficaz de acalmar o bebê. Basta resolver a causa que a consequência será o silêncio e o sono tranquilo do pequeno. E isso, ao longo do tempo, se torna mais fácil para os pais que começam a entender o choro do bebê relacionado à causa dele. Por exemplo, até os 3 meses de idade, o choro é o recurso do bebê para tudo. A sua única forma de se comunicar. A partir desse período, o pequeno aprende que o sorriso é para demonstrar satisfação e alegria ao passo que o choro serve para reclamar de dores, fralda suja, sono, fome, dentre outros incômodos próprios dessa fase da vida da criança.

Hora de mamar

Apesar de alguns especialistas (e da tradição) indicarem que o bebê deve ser amamentado de 3 em 3 horas, não podemos esquecer que cada bebê é um indivíduo com particularidades como todo ser humano. Logo, mesmo antes das 3 horas protocolares o bebê pode sim chorar por estar com fome. Amamentá-lo pode resolver a questão e proporcionar aconchego e relaxamento, pois o contato com o calor da mãe durante a amamentação traz paz e confiança ao bebê que, saciado, vai dormir melhor.

Uma tendência atual é a “livre demanda”. Segundo os pediatras que defendem essa orientação, a criança deve ser amamentada assim que solicitar, sem a regra de um horário fixo. A manutenção do peso e uma melhor relação com a própria mãe, além de diminuir bastante a questão do endurecimento da mama, são grandes vantagens desse tipo de comportamento.

Fralda suja

Bebês não gostam da sensação de ter xixi e cocô na fralda. Aliás, ninguém gosta, né? Por isso, verificar se o bebê está limpo ou se sujou a fralda são uns dos primeiros gestos a serem feitos. Assim, você já elimina logo a dúvida se essa é a razão do choro. Fralda seca é o que deve prevalecer na rotina do bebê, por isso verificar espontaneamente a situação da fralda pode evitar o choro. E, se o bebê fica por muito tempo com a fralda suja, assaduras certamente vão aparecer.

Sono

Os bebês não sabem simplesmente fechar os olhos quando estão com sono. A sensação de cansaço causa uma irritabilidade ao bebê que, incomodado com a necessidade de dormir, chora para dizer que está cansado e precisa descansar. Se pais e mães estiverem atentos, podem evitar esse tipo de choro. Basta observar o comportamento do bebê e identificar as reações que revelam que o sono chegou: esfregar os olhos, o surgimento de olheiras e o olhar caído são os principais sintomas de que é hora de dormir. Ninar o bebê logo que surgirem os primeiros sinais de sono é uma eficiente forma de saber como acalmar o bebê antes que ele fique estressado e chore.

Gases e intestino preso

Colocar o bebê para arrotar evita que gases se acumulem no estômago e causem cólicas. A prisão de ventre causa dificuldades para o bebê fazer cocô e trazem a famigerada cólica intestinal. Uma massagem com óleo essencial para bebês na barriga, se feita em movimentos circulares no sentido horário e com uma leve pressão, pode fazer os gases serem liberados e a evacuação fará o bebê se livrar das fezes e da cólica. Procure orientação do pediatra para administrar a medicação adequada para essa situação.

Sensação térmica

A sensação de frio ou calor incomoda os bebês que, por não saberem falar, choram para demonstrar a necessidade de serem aquecidos ou de um banho refrescante. Se a causa for calor, logo após o banho, o bebê vai dormir profundamente (alguns dormem ainda durante o banho). Se o frio é a causa do choro, basta envolver o bebê em uma coberta e acalentar por alguns minutos. Pronto. Problema resolvido e bebê dormindo.

Dentes nascendo

Essa é a causa que afeta muitos bebês. Os dentinhos crescendo nessa fase geram dor sim e, em alguns casos, febre. O uso de pomadas anestésicas nas gengivas do bebê pode ser a solução para bebês que choram por causa da dor de dente. Para saber melhor se a causa é essa, passe levemente o dedo sobre as gengivas do bebê, que estarão bem sensíveis, e assim fará com que ele demonstre que ali está doendo. Para sanar todas as dúvidas em relação a dor e a usar pomadas, procure sempre o pediatra do bebê.

Estímulos

Estimular o bebê faz com que ele aprenda uma série de coisas, como piscar os olhos, balbuciar palavras que ainda não conseguimos entender, fazer sim ou não com a cabeça, etc. Todo mundo se derrete quando o bebê responde de maneira correta aos estímulos, porém o excesso desses estímulos pode irritar os bebês e causar um choro de alívio da tensão.

A dica aqui é ter equilíbrio, pois bebês que não recebem nenhum tipo de estímulo também choram justamente para reivindicar essa postura dos pais que devem estimular a criança moderadamente. Assim como estímulo em excesso irrita o bebê que não sabe lidar com a adrenalina e a ansiedade que ela causa.

Se nada disso resolver durante as tentativas de como acalmar o bebê, talvez ele precise de ajuda médica. Por isso, todo cuidado é pouco.

Categorias
Infantil

Pais: com quantos meses o bebê pode ir à praia

Viajar para a praia ou morar perto dela faz disso uma diversão garantida nos dias de calor. Mas e quando tem gente nova na família? Como saber com quantos meses o bebê pode ir à praia? Existem alguns critérios que devem ser respeitados e vamos mostrar como isso pode ser feito para que as férias em família sejam só alegria.

Com quantos meses o bebê pode ir à praia

Partindo da regrinha que diz que “bebês só podem usar protetor solar a partir dos 6 meses”, esse passa a ser o período inicial para o bebê começar a frequentar a praia. Porém, no início, será por curtos períodos, porque nessa idade o bebê ainda não anda e vai passar a maior parte do tempo sentado sob o guarda-sol e com a vigilância intensa dos pais, pois essa ainda é a fase oral do bebê e areia da praia é algo que papais ou mamães não gostariam de ver na boca de nenhum dos filhos. Vale lembrar que a primeira ida ao mar deve ser antecedida de uma visita ao pediatra. Só ele poderá dar a melhor indicação.

Protetor e guarda-sol

Filtro solar e guarda-sol são companheiros inseparáveis de quem frequenta a praia independente da idade que tenha e, no caso dos bebês, esses 2 itens são ainda mais necessários. Mas deixe para passar longos períodos na praia a partir de quando o bebê já saiba andar, o que deve ocorrer por volta de 1 ano (ou mais) de idade. Nessa fase o bebê poderá aproveitar melhor a praia e os pais terão mais formas de diversão em família, inserindo os bebês nas brincadeiras.

O sal do mar prejudica a pele do bebê?

Se a praia que você pretende ir está própria para banho, o bebê, a partir de 1 ano de idade, pode aproveitar o mar tranquilamente, pois a salinidade marinha contém micronutrientes que fazem bem à saúde.

Se os pais optarem por levar para a praia uma “piscininha” de plástico com água doce, é uma boa alternativa para os bebês se refrescarem. Mas é aconselhável trocar a água ao longo do dia, por causa do xixi que o bebê pode fazer nela. Afinal, a fase oral dos pequenos dura até os 18 meses. Uma boa dica é usar as fraldas para natação, já bem comuns no mercado, feitas especialmente para serem utilizadas na água.

Agora que você já sabe com quantos meses o bebê pode ir à praia, programe as férias e não se esqueça de levar guarda-sol, protetor solar e curta o passeio.

Categorias
Auto e Ferramentas Infantil

Veja como fazer um cercado para o seu bebê

Saiba como fazer um cercado para o seu bebê se divertir e brincar em segurança, assim ele não tem contato com objetos perigosos da casa. Basta escolher uma área, e com alguns materiais e um kit de ferramentas simples você cria um cercado bastante seguro. Ideal para a criança brincar e descansar enquanto os pais lavam a louça, limpam a casa e usam o computador, o cercadinho pode ser forrado com uma estrutura macia depois de pronto para que o bebê fique confortável.

Coloque alguns brinquedinhos, um travesseiro e uma coberta e deixe-o brincando ou dormindo para você poder se dedicar a outras tarefas. Confira algumas dicas simples para você criar seu próprio cercado para bebês.

1 – Faça um cômodo inteiro de cercado

Você pode fazer um cômodo inteiro de cercado, como o quarto do bebê, por exemplo. Primeiro prepare o ambiente, retirando qualquer tipo de objeto que possa machucá-lo. Proteja as pontas dos móveis com cantoneiras e coloque protetores nas tomadas abertas, travas de segurança nas gavetas e redes de proteção na janela.

Uma vez que o ambiente está seguro, coloque um portão na porta para que o bebê não consiga passar. Coloque também tapetinhos ou almofadas no chão para ele ficar confortável. Pronto, o bebê está protegido e pode brincar livremente em um cercado gigante.

2 – Use o jardim

O cercado também pode ser na parte externa da casa, como no quintal ou no jardim. Forre o chão com um tapete emborrachado e coloque cercas de arame anexadas em estacas no chão. Instale um portão para bebês na cerca para você ter um acesso fácil e pronto!

3 – Faça um cercado de madeira

Outra opção é fazer um cercado usando madeira. Basta pegar vários painéis de madeira compensada de mais ou menos 3 centímetros x 1 metro. Lixe as madeiras para que fiquem seguras para as crianças e fixe os painéis uns nos outros com dobradiças usando parafusos.

Para finalizar, anexe um portãozinho para você colocar a criança com facilidade no cercado. Agora que você já sabe como fazer um cercado, aproveite as dicas para que o seu bebê possa brincar livremente enquanto você faz outras tarefas na casa.

Categorias
Auto e Ferramentas

Como montar um berço

A grande maioria dos berços, mesmo sendo de marcas diferentes, possui peças básicas iguais, facilitando a assim a forma de fazer a sua montagem. Com pouco trabalho e alguns passos, você pode ter a facilidade de montar um berço com muita segurança.

Antes de começar, leve as peças para o quarto do bebê, pois assim você não precisará transportá-lo depois de montado. Você provavelmente irá precisar de uma chave de fenda, um martelo e um conjunto de catracas. Confira antes pelas instruções as ferramentas ideais de uso.

Manual de uso

Caso você não tenha o manual de instruções, pode procurar pela internet ou conferir todas as peças. Normalmente um berço possui uma cabeceira, uma parte inferior oposta à cabeceira; grades (laterais do berço; uma parte delas é móvel, para dar acesso ao berço); um suporte para o colchão (pode ser uma madeira simples ou pode ter molas) e um colchão. Ele pode ainda conter dois suportes longos para as laterais, principalmente se todas as grades forem móveis.

Sequência de montagem do berço

Para evitar erros, você pode seguir essa sequência para a montagem do berço.

– Coloque a cabeceira no chão; – Prenda as chaves dos trincos na cabeceira;
– Prenda a grade à cabeceira e à parte de baixo;
– Prenda o suporte de colchão à base do berço;
– Prenda a grade móvel na frente do berço;
– Deslize as molas nas cavilhas e insira-as acima do buraco inferior na lateral da grade;
– Verifique a estabilidade do berço;
– Coloque o colchão no berço;
– Prenda as rodinhas, se quiser;
– Verifique o berço semanalmente.

Garanta a segurança

Verifique sempre as condições do berço para que não tenha nada que possa machucar seu bebê. Verifique também se a grade móvel está bem presa no lugar. De vez em quando, acesse algum site sobre Segurança do Consumidor para saber se o seu berço não foi retirado de linha pelo fabricante.

Muitos são retirados por apresentarem riscos à segurança. Agora que você já sabe como montar o berço para o seu bebê, escolha o mais adequado.