Sem graça nada! Descubra o sabor do chuchu

Veja nossas dicas e aprenda a realçar o sabor do chuchu.

O chuchu é um vegetal de sabor suave, o que fez com que o alimento ficasse conhecido como “sem graça”. Mas, ao contrário do que muitos pensam, se for bem preparado ele fica uma delícia. Esse sabor mais delicado e neutro, inclusive, é uma vantagem do chuchu, pois pode ser incluído em diversas receitas.

O vegetal pode ser preparado em caldos, sopas, suflês ou simplesmente fervido e cortado em cubos. E como sabemos que você adora receitas saborosas, nutritivas e fáceis de preparar, vamos mostrar algumas receitas com chuchu para você conhecer um pouco de sua versatilidade. Confira!  

Saladas: nada de cara feia! Sabendo usar os ingredientes certos, a salada de chuchu fica uma maravilha. Experimente temperar bem com os seus condimentos preferidos e você vai ver esse alimento com outros olhos.  

Suflê: preparar essa receita pode ser um pouco complexo, mas com a ajuda do Cybercook, você vai tirar de letra. Esse prato pode ser servidos em lanches especiais, almoços ou jantares. O suflê de chuchu é ótimo para quem busca refeições leves e deliciosas!

Caldos: nada como usar o chuchu como base para preparar um caldo nutritivo e bem levinho quando chega a frente fria. Fica incrível! Você pode personalizar e complementar com outros ingredientes que preferir.

Recheado: nada de deixar o chuchu estragando na geladeira! Escolha o recheio que mais te agrada e mãos à obra. Você pode usar diversos ingredientes, afinal, com o sabor suave do chuchu, você não vai precisar se preocupar se os sabores estão brigando.  

Refogado: quem fala que chuchu não tem gosto, é porque nunca provou um bom refogado. Preparado na manteiga fica saborosíssimo! Use e abuse dos temperos para dar um toque ainda mais especial.

Com todas essas opções, fica fácil dar uma nova chance ao chuchu, não é?

Categorias
Auto e Ferramentas

Dia Mundial Sem Carro

No dia 22 de setembro é comemorado o Dia Mundial Sem Carro em diferentes partes do mundo. Saiba um pouco mais sobre a data.

O Dia Mundial Sem Carro busca mostrar, mesmo por um dia, o quão diferente uma cidade poderia ser se mais pessoas usassem meios de transporte alternativos. Não se trata de nos tornarmos inimigos do carro, simplesmente devemos estar mais conscientes do que seu uso, em excesso, pode causar.

A data nos convida a refletir sobre a nossa convivência quando saímos da bolha que é o nosso carro, quando o espaço público é aproveitado a pé, de bicicleta ou de transporte público, e então percebemos como são necessárias melhorias urbanas coletivas que oferecem maior segurança. Outro ponto importante é a nossa saúde, mudando de transporte podemos deixar para trás o estilo de vida sedentário. Quando passamos a pedalar ou até mesmo a usar o patinete, a mudança é notória em muitos aspectos: saúde, ecologia e economia (principalmente agora com o valor do combustível nas alturas).  

Apesar de cada vez mais cidades aderirem à iniciativa do Dia Mundial Sem Carro, ainda há muito trabalho a ser feito. Devemos promover uma mudança de cultura onde o carro é deixado de lado e os beneficiários são os pedestres e ciclistas. Felizmente, há cada vez mais ações, movimentos e cidadãos para aumentar a conscientização sobre esse problema e mais iniciativas para combatê-lo.

Faça parte da mudança! No dia 22 de setembro, deixe seu carro na garagem. Existem diferentes alternativas ao carro além da bicicleta e do transporte público, entre elas estão: patinete, skate e até mesmo hoverboard. Então não tem mais desculpa. É só escolher o que melhor se adapta às suas necessidades! 

As melhores receitas com banana

Acessível, gostosa e muito versátil. Veja como inserir a banana no seu cardápio.

A banana é uma das frutas mais populares no Brasil. De origem asiática, conta-se que ela foi trazida para cá pelos portugueses no início do século 16. 

Existem muitos tipos de banana, e cada uma delas tem uma cor, textura e sabor únicos. São mais de mil ao todo. Não é à toa que o brasileiro, em média, consome cerca de 25 quilos de banana por ano individualmente.

E dá pra preparar a banana de muitas formas diferentes: amassada, flambada, cozida, frita, entre outras. Isso sem falar nas mais variadas receitas que levam a fruta. Uma mais gostosa que a outra!

Confira abaixo os principais tipos de banana e algumas receitas que você pode preparar com cada uma delas:

Banana-nanica: Por ser mais doce e macia, é muito utilizada em tortas como a Cuca de Banana – um prato típico da região sul. 

Banana-ouro: A menor e mais doce das bananas. Vai muito bem em sobremesas, como esse Crepe Crocante de Banana. Sirva com bolas de sorvete. 

Banana-da-terra: É a maior de todas e perfeita para ser cozida, assada ou frita. Muito comum na culinária baiana. Veja aqui essa deliciosa receita de Chips de Banana

Desperdício zero

Que tal utilizar 100% da fruta em suas receitas? Assista abaixo a live que o Carrefour fez sobre o assunto, e aprenda 3 opções deliciosas que aproveitam completamente a banana.

Categorias
Dicas de Limpeza

Reciclando da maneira correta

No há como negar que a reciclagem é um hábito ecológico que pode ajudar a manter nosso meio ambiente mais limpo, conservar os recursos naturais e reduzir a poluição. E é importante que todos façamos nossa parte. Mas você está reciclando da maneira certa?

Se você já ficou confuso sobre o que vai para a lixeira, você não está sozinho. Muito do que é colocado em recipientes de reciclagem não pertence a eles. Na verdade, esses “extras” que estamos jogando fora na esperança de que sejam reciclados podem contaminar os materiais recicláveis, o que perde todo o sentido, não é? Então se você quiser finalmente acabar com a confusão em torno da reciclagem, continue lendo para saber o que fazer, o que não fazer, dicas e truques!

Papel e Papelão: o papel e papelão que acumulamos em casa, como envelopes, cartas, jornais, papéis diversos e caixas de leite ou ovos, não devem ser jogados na lata de lixo misturados com restos de comida ou recipientes de plástico. Tente separá-los em uma sacola de maneira adequada.

Embalagens de plástico: por outro lado, existem recipientes de plástico como garrafas de água, potes ou bandejas que vêm com carnes e frutas. Tudo isso também deve ser reservado separadamente.

Vidros: os vidros das garrafas de vidro ou potes e, na verdade, qualquer coisa de vidro que tenha se quebrado em casa, também devem ser separados do lixo comum ou lixo orgânico e guardados em um recipiente apropriado para ser depois ser descartado.

Orgânico: tudo o que for resto de comida, cascas de frutas, assim como cascas de vegetais que cozinhamos, deve ir para a mesma lixeira ou saco de lixo. Nesse lixo não vamos colocar o óleo (que é separado) e nem produtos como fraldas ou de higiene feminina.

Resíduos: os restos de poeira que coletamos quando varremos a casa, as bitucas de cigarro, as fraldas, produtos femininos, as lâminas ou esponjas de cozinha que jogamos fora vão para outro lixo.

O que sobrar como brinquedos, isopor, roupas, pilhas, baterias, óleo e outros elementos como tintas para impressoras ou lâmpadas, teremos que levar ao ponto de reciclagem mais próximo, já que são resíduos não recicláveis ​​ou que tem outro processo de reciclagem. Dessa forma você poderá separar todo o lixo corretamente e com isso, colaborar no cuidado com o meio ambiente.

Camarão sem segredo

Veja como preparar receitas deliciosas com esse fruto do mar delicado, mas de sabor muito marcante. 

O camarão é um alimento presente na gastronomia mundial. Muito popular no Brasil, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, o crustáceo faz grande sucesso também em países como Portugal e Espanha. 

Existem várias receitas que incluem camarão. Moqueca, risoto, bobós, torta, escondidinho e até mesmo frito, como aperitivo. Mas você sabe qual tipo de camarão escolher na hora que vai ao supermercado?

Existem mais de 2 mil espécies de camarão que habitam oceano, rios e lagos. Sete Barbas, Rosa, Cinza e VG estão entre os tipos mais comuns. Mas a boa notícia é que existem algumas regras usadas pelos chefs que ajudam na escolha certa desse crustáceo. Confira!

Camarões pequenos: têm sabor mais intenso e são indicados para caldos, molhos, massas e risotos;

Camarões grandes: têm o sabor mais leve e devem ser servidos sozinhos. Em alguns casos, são servidos inteiros e com casca.

Receitas

As receitas com camarão são excelentes para inovar na cozinha e surpreender a todos! Como é um ingrediente muito versátil, o camarão possibilita uma infinidade de preparos diferentes. 

Selecionamos algumas receitas do CyberCook para você se inspirar e preparar em casa. E tem para todos os gostos e ocasiões! Moqueca de camarão, Risoto de camarão, Torta de camarão, Vatapá, Camarão à Paulista e, claro, Bobó de Camarão. Experimente!

Ah, e no CyberCook você ainda conta com um excelente recurso para evitar o desperdício: é o Aproveitômetro! Basta selecionar os ingredientes que sobraram da sua receita para saber quais outros pratos você pode preparar com esses alimentos. Muito bom, hein?  

Categorias
Casa e Decoração

Qual o momento certo de trocar seu travesseiro?

Veja qual a frequência correta para você trocar seus travesseiros.  

Quando foi a última vez que trocou de travesseiro? Se você não lembra, é porque já está na hora de trocar. Você já deve saber da importância do travesseiro para uma boa noite de sono, mas mesmo o melhor travesseiro não dura para sempre. Então, com que frequência você deve trocar o seu? Nós te contamos a seguir.

Os sinais que mostram que está na hora de trocar

Embora não haja uma regra sobre quando trocá-lo, a maioria tende a ter uma vida útil de cerca de dois anos, menor que a de um colchão. É imprescindível trocá-lo quando começarem a aparecer sinais de desgaste. Alguns desses sinais são:

– Manchas amarelas começam a aparecer, apesar da lavagem. Essas manchas podem ser causadas por óleos corporais, umidade (incluindo suor, saliva, cabelo molhado, etc.)

– É mais plano do que o normal e você pode dobrá-lo ao meio. Se ao fazê-lo ele permanecer torto, é hora de dizer adeus e comprar um novo.

Outra maneira de saber se você precisa trocar de travesseiro é ouvir seu corpo:

– É menos confortável e você tem dores de cabeça e no pescoço.

– Os sintomas de alergia, como espirros, congestão, coceira na garganta, coriza, erupções cutâneas ou dificuldade para respirar à noite aparecem.

Um simples travesseiro pode influenciar na sua saúde física e mental, então vale a pena conferir se está na hora de dizer adeus ao seu.

Cachorro-Quente para todos os gostos

Muito além do pão e salsicha. Veja as mais variadas formas de preparar o famoso hot-dog.

Você sabia que dia 9 de setembro é o Dia do Cachorro-Quente? A data é uma homenagem à criação do popular sanduíche, em 1884, em Nova York, nos Estados Unidos. O lanche tem uma relação muito próxima com o beisebol, sendo vendido em todos os jogos até hoje. Uma grande tradição americana.

Muitas versões

Existem várias diferenças entre os cachorros-quentes ao redor do mundo. Se nos EUA, principalmente em Nova York, o lanche é composto por apenas pão, salsicha e um ou outro molho de acompanhamento, em outros lugares do mundo a história é outra. 

No Havaí, por exemplo, o hot-dog leva banana, mamão e até goiabada. Já na Colômbia, o sanduíche conta com presunto e cebola. Na Dinamarca, picles. No Chile, abacate. E na Noruega nem pão eles usam. No lugar, uma tortilla que enrolada na salsicha. 

No Brasil também é possível encontrar uma grande variedade, de acordo com cada região. No sul, é usada a salsicha do tipo alemã, mostarda escura e chucrute. No Pará, o lanche recebe um molho especial à base de tucupi (extraído da mandioca) e folhas de jambú (erva típica da região). E em Brasília, a pasta de alho é um ingrediente obrigatório.

E claro, não podíamos deixar de falar do cachorro-quente de São Paulo. O popular Dogão, além dos ingredientes tradicionais, leva também milho, vinagrete, ervilha, queijo ralado e purê de batata. Tudo isso bem prensado para nada cair do pão. 

Você sabia? O município de Osasco – SP é conhecido como a capital do cachorro-quente no Brasil e segunda cidade que mais vende o lanche no mundo. Segundo a prefeitura local, são vendidos cerca de 40 mil sanduíches diariamente nos mais de 350 carrinhos licenciados –160 só na região central da cidade.

Receitas

Aposto que toda essa conversa sobre cachorro-quente já te deixou com água na boca, não é mesmo? Então confira essas três receitas deliciosas do CyberCook e prepare em casa o seu hot-dog!

Cachorro-quente completo

Cachorro-quente vegano

Cachorro-quente de forno

Categorias
Tecnologia e Eletrônicos

Como escolher um repetidor de sinal Wi-Fi?

Veja algumas dicas para ter um bom sinal de internet em todos os cômodos da casa.

Na sua casa tem algum cômodo onde o sinal Wi-Fi não chega com qualidade? Isso pode acontecer por diversos fatores. Interferência de outros eletrônicos, objetos metálicos, paredes grossas ou obstáculos físicos em geral. Nesses casos, a solução ideal é comprar um repetidor de sinal Wi-Fi.

Mas como escolher um bom repetidor, entre tantos modelos diferentes no mercado? Para te ajudar nessa missão, separamos alguns pontos importantes que devem ser levados em conta na hora de comprar o seu. Confira!

Compatibilidade – É fundamental que o repetidor seja compatível com o seu roteador, independente da marca. Por isso, a recomendação é escolher um modelo com compatibilidade universal. 

Redes – Para que um repetidor de sinal Wi-Fi seja realmente bom, é ideal que ele opere em ambas as redes: 2.4Ghz (300mbps) e 5Ghz (867mbps). Mas se for para escolher uma só, opte por aqueles com rede de 5Ghz – pois assim você poderá executar tarefas mais “pesadas” como jogar online ou ver streaming em HD.

Antenas – Repetidores podem ter antenas internas ou externas. Prefira os modelos com antenas externas, pois elas tendem a ter um sinal de melhor qualidade e um alcance maior. Além disso, por serem móveis, possibilitam mudar a direção do sinal, o que pode ajudar bastante em alguns casos. 

Luzes – Verifique se o modelo escolhido possui luzes indicadoras de sinal. Elas são bem úteis porque demonstram como está a força do sinal. Assim, você saberá qual é o melhor local do ambiente para posicionar o seu repetidor de sinal Wi-Fi.

Agora que você já sabe como escolher um bom repetidor, dê uma passadinha no site do Carrefour. Lá você encontra tudo para informática, sempre pelos melhores preços. 

Melhores bebidas para acompanhar o bolinho de bacalhau

Assado ou frito, o bolinho de bacalhau é uma delícia independente da maneira que for preparado, e acompanhado de um drink fica ainda melhor. Por isso, separamos algumas das bebidas que mais combinam com esse famoso petisco para você aproveitar um bom happy hour em casa. Se você não pode ir até o bar, levamos o bar até você. Confira!

Cerveja

Você já sabe que a cerveja vai muito bem com o bolinho de bacalhau, mas existem tipos da bebida que combinam ainda mais com o petisco. Como o bacalhau é um peixe de sabor mais intenso, é possível harmonizá-lo com uma cerveja mais amarga, pois não vai ofuscar seu sabor. Caso prefira um estilo de cerveja mais leve, invista nas cervejas de trigo.

Caipirinha

Só de imaginar já dá água na boca, né!? A caipirinha é uma bebida leve que combina perfeitamente com o bolinho de bacalhau, e pode ser preparada com o destilado de sua preferência (vodka, cachaça ou saquê). Além disso, você também pode escolher a fruta que mais gosta.

Vinho tinto

Vinho e peixe é aquela combinação que não tem erro. É uma das harmonizações mais conhecidas, se não a mais. Nesse caso do bolinho de bacalhau, o vinho tinto é uma ótima escolha devido à fritura, na maioria das vezes usada no preparo do petisco. Os vinhos que possuem uma maior acidez são os mais indicados.  

Vinho branco

Para quem quer harmonizar esse petisco com vinho, mas prefere algo mais leve, o vinho branco é a opção ideal. Também possui a acidez adequada para acompanhar o bacalhau, mas ao mesmo tempo é delicado. *Beba com moderação

Categorias
Casa e Decoração

Para que servem os exaustores de banheiro

Devido à constante umidade, o banheiro é um dos ambientes mais suscetíveis ao crescimento de germes e bactérias. Mesmo com uma limpeza frequente, ao longo do tempo, é possível notar acumulação de resíduos que podem comprometer a qualidade do ar. Mas nem todos os banheiros possuem janelas e ventilação adequada, por isso, o exaustor pode auxiliar na hora de manter seu banheiro muito mais limpo e cheiroso. Veja algumas das vantagens do aparelho:

Elimina Odores

Uma das principais razões para ter um exaustor é o controle de odores. Se um cheiro desagradável surgir no banheiro, ele pode ser facilmente eliminado com a ajuda de um exaustor. Esse sistema de ventilação permitirá que você mantenha seu banheiro bem cuidado, enquanto oferece um ambiente limpo para a próxima pessoa que usá-lo.

Reduz a Umidade

A umidade excessiva pode causar danos às paredes do banheiro, fazendo com que a tinta descasque. Em casos extremos, pode até fazer com que as portas entortem!

Mais importante ainda, a umidade pode causar o acúmulo de mofo, que pode crescer rapidamente e ser difícil de eliminar. Portanto, é fundamental ter circulação de ar nos banheiros para evitar que isso aconteça, e os exaustores são uma boa solução.

Reduz substâncias nocivas

Os banheiros são normalmente limpos com produtos químicos que podem fazer mal quando inalados. Esta é uma grande preocupação, especialmente para crianças pequenas, idosos ou pessoas com doenças pulmonares atuais.

Além disso, se o banheiro já estiver com problemas de mofo, o ventilador ajudará a remover seu acúmulo no ar. Isso, por sua vez, também ajudará a desacelerar seu crescimento.

Evita que o espelho fique embaçado

Os exaustores do banheiro ajudam a controlar a umidade e a remover o vapor de água dos espelhos e das paredes.